quinta-feira, 26 de março de 2015

QUILOMBOLA Nº1 - 2015 - Mobilidade Urbana: A solução vem da luta, não por decreto.

Mobilidade Urbana: A solução vem da luta, não por decreto.




    Pensar num projeto de mobilidade urbana para cidade tem que ser fruto dos interesses da população usuária e dos trabalhadores de transportes urbanos. Quem usa o transporte e quem trabalha nele tem melhores condições de identificarem os maiores problemas e podem apontar para soluções que apontem para uma saída coletiva e que promova o bem estar da cidade como um todo. 

    A câmara de vereadores de Maceió aprovou em dezembro de 2014 uma lei que pretendia reduzir o tempo de espera entre as viagens de ônibus em 20 min. Algo que a primeira vista parece um boa para a maioria da população, porém se melhor analisado vai se ver a total ineficácia de sua aplicação. Primeiro porque não é por decreto que se mudará situações como essa. Precisamos pensar a mobilidade dentro da cidade como algo prioritário e que garante o funcionamento de várias outras atividades. Para isso tínhamos que pensar a cidade para a maioria da população e não para apenas alguns poucos. Privilegiar o transporte público e valorizar o trabalhador que trabalha nele. 
    
    Se a cidade tivesse o transporte público como prioritário e não o individual não teríamos tantos engarrafamentos, nem tanta poluição, por exemplo. Temos que pensar as vias públicas de outra maneira e num transporte que possa fazer o deslocamento da população com segurança, conforto e agilidade.

    Diminuir a tempo entre as viagens sem dá a condição para isso pode prejudicar e muito a situação de desgaste e estresse vivenciada pelos rodoviários, sem atingir o objetivo desejado. Essa categoria precisa ser mais bem valorizada, tendo tempo de descanso respeitado para que possa transportar a população em segurança.

    Precisamos de mais transportes públicos, mas com vias que permitam seu trânsito com agilidade. A cidade tem que ser para quem mora nela e não para quem lucra com ela.

    As empresas de ônibus financiam muitas campanhas de vários políticos, que tem que prestar conta a elas depois que são eleitos. Não podemos esperar que a solução venha da boa vontade deles. Somente a organização dos debaixo (a maioria de quem vive na cidade) pode ter força suficiente para lutar por uma melhor política de mobilidade urbana.

    O transporte dos habitantes da cidade deveria ser um bem público e não um negócio lucrativo para aqueles que não sofrem nenhum problema de ordem econômica. Os empresários repassam todos os seus gastos para a população com sucessivos aumentos de tarifa, desproporcional ao aumento dos salários da população trabalhadora. Tão pouco os rodoviários são beneficiados. Porque não conseguem nem o mínimo reivindicado em reajuste salarial, muitas vezes tendo sua direção de sindicato negociando aumento menores do que o desejado pela categoria.

    Para onde então vai a grande arrecadação que se tem com tarifas de ônibus? Viram lucro dos empresários.

   Lutar por uma outra lógica de transporte urbano é uma luta difícil que não passa por fazer “acordões” com políticos e empresários. Somente com muita mobilização da população usuária em unidade com os trabalhadores de transporte urbano teremos força para conseguirmos avançar na disputa da cidade.

Nenhum comentário: